A CTES esteve presente no Seminário das Cooperativas do Ramo Trabalho em Salvador

O Sistema Cooperativista Baiano se empenha para promover o desenvolvimento das cooperativas do estado que atuam em diversos setores da economia. Uma das ações é a realização de encontros dos ramos para que as cooperativas se aproximem e debatam temas de interesse comum. Na última segunda (3/12) foi a vez das cooperativas de trabalho do Sistema OCEB se reunirem, em Salvador, para conhecer o Projeto de Sustentabilidade do Ramo Trabalho e traçar estratégias para ampliar seu acesso ao mercado.

O evento teve a participação da Coordenadora Nacional do Ramo Trabalho na OCB – Organização das Cooperativas Brasileiras, Margareth Garcia da Cunha, e da Analista Técnica Econômica da OCB, Carla Neri, que apresentaram o Projeto de Sustentabilidade para o público. Elas explicaram que esse projeto veio em resposta aos desafios enfrentados pelas cooperativas deste ramo, no que diz respeito à imagem perante a sociedade, aos órgãos de fiscalização, Poder Judiciário e tomadores de serviços.

Projeto de Sustentabilidade

Atento a essa realidade, o Sistema OCB tem buscado fortalecer o modelo societário cooperativista de trabalho e assegurar que cooperativas legítimas não sofram restrições no mercado. “A gente vem fazendo no Sistema OCB todo um trabalho de desmistificar essa imagem negativa, e para melhorar essa imagem a gente entendeu que havia uma necessidade de fazer um trabalho interno. O projeto sustentabilidade é isso: um trabalho de conformidade das cooperativas de trabalho com a legislação que a gente tem hoje”, explicou Carla.

Os resultados esperados com o projeto foram apontados por Margareth Cunha. “Precisamos estar em conformidade com Lei 12.690/2012. O intuito desse projeto é ter subsídios para negociar com o Ministério Público do Trabalho, e a OCB ter como representar bem o ramo trabalho. Ter dados para apresentar”. Ela falou, ainda, sobre o que almeja: “Que o ramo trabalho comece cada vez a se especializar mais, estar em conformidade e se profissionalize”.

Um aliado das cooperativas para avaliar se estão ou não em conformidade com as questões societárias, princípios e boas práticas de trabalho cooperativista é o PAGC – Programa de Acompanhamento da Gestão Cooperativista. A Analista de Monitoramento do Sescoop/BA, Geisa Félix, apresentou a situação das cooperativas baianas que aderiram ao PAGC e passaram pela rodada de avaliações. Ela lembrou da importância das cooperativas cumprirem seus planos de melhorias, a partir do que foi diagnosticado, para que tenham condição de oferecer melhores serviços e, consequentemente, se posicionem de forma mais competitiva no mercado.

Desafios e oportunidades

A etapa de debate entre os representantes das cooperativas foi, para Marília Reis, Conselheira Diretora do Ramo Trabalho na OCEB, um momento fundamental. “Achei o ponto alto do encontro as cooperativas se conhecerem, falarem de suas dores, suas dificuldades e, na percepção de cada uma, as possíveis soluções [para essas dificuldades]”.

A expectativa de Aline Fantin, enfermeira cooperada da COOPS – Cooperativa de Trabalho dos Profissionais de Saúde, é “colocar em prática o que conseguimos discutir aqui”. Para ela, o encontro oportunizou a integração e o debate coletivo de situações comuns que ocorrem com e nas cooperativas de trabalho. Já para Alexandre Machado Sampaio, administrador na Cooperativa Unibrasil Saúde, o evento foi “muito enriquecedor porque demonstrou a força que o cooperativismo, no caso do ramo trabalho, tem. Foi benéfico no sentido de mostrar que juntos somos mais fortes”.

O público ficou ainda mais motivado com as reflexões trazidas por Marcelo Vieira na sua palestra “Competividade para Novos Mercados”. Ele destacou o grande potencial do cooperativismo como economia colaborativa, pois “é a causa e a essência do nosso negócio”, disse. Ele convidou a todos para perceberem o que o mercado quer das empresas, das cooperativas, e da importância de construir experiências a partir da marca para encantar os clientes.

Futuro

Os participantes saíram do evento com o compromisso de se unirem cada vez mais, trabalharem juntos, com intercooperação, e as cooperativas podem continuar contando com o Sistema OCEB para aprimorarem a sua gestão, objetivando, sobretudo, a ampliação do seu acesso ao mercado com inteira adesão ao Projeto de Sustentabilidade do Ramo.

 

Confira mais fotos:

Por Ascom Sescoop/BA​
Fotos: CTES

Deixe uma resposta