World Coop Management debate sustentabilidade e competitividade

A quarta edição do World Coop Management (WCM) aconteceu nos dias 24 e 25 de setembro, em Belo Horizonte, no Espaço de Eventos da Unimed-BH, com a participação de 340 dirigentes do cooperativismo brasileiro, de 24 Estados. O Congresso Internacional já se consolidou no calendário do setor, tornando-se referência por fazer uma ponte entre novas tendências e realidade do mercado brasileiro, proporcionando a capacitação das cooperativas e suas equipes por meio dos temas mais importantes e relevantes de estratégia e liderança.

Durante a abertura do congresso, Renato Nobile, superintendente da OCB ressaltou a importância de eventos como o WCM. “Nós existimos enquanto Sistema, mas é por meio do processo de capacitação que vocês líderes, gestores e dirigentes de cooperativas tem a possibilidade de desenvolver os seus trabalhos. Nós do Sistema Nacional com as Unidades Estaduais temos muito orgulho de levar essa responsabilidade de desenvolvimento e melhor representação, defesa e ajuda no desenvolvimento das cooperativas do Brasil inteiro ressaltou.

Na ocasião, Ronaldo Scucato, presidente do Sistema Ocemg, reforçou a trilha do conhecimento balizada pela Organização. “Capacitar, esse é o caminho que procuramos. A disseminação da capacitação leva inexoravelmente ao sucesso, e é por isso que nós traçamos a trilha de capacitações que é prioritária no Sistema Ocemg. É preciso atentar que nós tivemos diversos ciclos, o do ouro, do café, do minério em Minas, e agora nós estamos no ciclo do conhecimento; ou nós embarcamos nesse ciclo ou vamos continuar eternamente em baixos rankings como o mais recente, divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE): em educação nós somos o 63ª em 74 países analisados. Então, que cada um faça a sua parte, aprimorando cada vez mais, por que nós estamos fazendo isso”.

Sob a temática Vencendo Desafios, a conferência abordou as principais tendências relacionadas à Sustentabilidade e à Competitividade no meio cooperativista. Com esse foco, a programação contou com palestrantes internacionais e brasileiros.

Ben Caldecott, conselheiro do Projeto de Sustentabilidade do Príncipe de Gales (Inglaterra), alertou que o mundo vive um momento de mudança sem precedentes. “A transição para uma economia sustentável será umas das mais dispendiosas e intensas para a humanidade, porém ela cria uma oportunidade massiva”, afirmou.

Porém, segundo o diretor do Sustainability Solutions Group (SSG), Yuill Herbert, as cooperativas se destacam nesse processo: “Elas estão comprometidas com princípios e valores, entre eles o desenvolvimento sustentável e o comprometimento com a comunidade em que atuam”.

COMPETIÇÃO COMO ESTÍMULO

O professor e escritor Leando Karnal observou que “competir é um estímulo para que cada pessoa ou empreendimento saia da zona de conforto. A competição faz como que sejamos melhores e mais presentes nas nossas atividades. É importante pensarmos que enquanto estamos parados ou acomodados, sempre haverá alguém fazendo cursos, participando de eventos e se aprimorando mais”.

A partir de sua experiência como ex-piloto da Royal Air Force, tendo sido prisioneiro de guerra do ditador Saddam Hussein, John Peters deixou como lição a necessidade de a cooperativa procurar agir mais rápido que seus oponentes para ter competitividade. “Atualmente, não são os grandes deixando para traz os pequenos, mas os mais rápidos ultrapassando os mais lentos”, frisou.

GESTÃO E LIDERANÇA

“Governança é um desafio-chave para os gestores dos bancos cooperativos da Europa”, comentou o diretor geral da Associação europeia de Bancos Cooperativos, Hervé Guider. O executivo ponderou a relevância de, por exemplo, os membros dos conselhos de cooperativas serem qualificados e capacitados. Nos países do continente, os conselheiros precisam passar por uma prova antes de assumirem o posto.

Peter Drapper, primeiro diretor de Marketing do Manchester United, da Inglaterra, um dos maiores clubes do mundo, acrescentou que os líderes devem exercer o papel de engajar os funcionários. “Se você preside qualquer tipo de empresa o que as pessoas esperam de você é liderança, não interferência. Apenas dê as ferramentas para que tenha condições de ser executado com excelência”, disse.

O empresário Eduardo Tevah complementou: “Engajamento é muito mais profundo que motivação, porque pressupõe envolvimento, senso de propósito, faz com que o colaborador se sinta disposto a fazer seu melhor e seja resiliente”. Segundo Tevah, atualmente nas empresas o índice de pessoas engajadas é de, no máximo, 28% do quadro funcional.

Sobre o contexto político do país em período pré-eleitoral conturbado como o vivido atualmente, o procurador da República Diogo Castor de Mattos relacionou os casos de corrupção e a realidade das instituições governamentais. “Assistindo as demais apresentações sobre o setor privado, levando outro questionamento que impacta direto na situação atual do Brasil: como engajar as pessoas que atuam no setor público, em que boa parte dos funcionários é concursado e os demais são apadrinhados? ”, provocou.

EDUCAÇÃO CONTINUADA

Com o sucesso do WCM, Luís Branco, presidente da Wex, empresa organizadora do evento, lançou para todos os presentes o convite para a conferência do próximo ano. “A edição de 2019 será especial, porque acontecerá dentro da programação do BH Co-operative Summit, um grande encontro a ser realizado no Expominas, de 2 a 4 de outubro, com o diferencial de englobar uma feira do segmento, workshops, rodadas de negócios, entre outras atrações”. Para saber mais informações sobre esse grande evento, basta entrar em contato pelo número: (11) 4861-3909.

 

Por AURÉLIO PRADO/OCB

 

Deixe uma resposta