Comitê de Mulheres Cooperativistas da Bahia inicia suas atividades

O Sistema Cooperativista Baiano instituiu, no último dia 17/9 (sexta-feira), durante a reunião do Conselho Diretor da Oceb, o Comitê de Mulheres Cooperativistas da Bahia. Esse grupo de mulheres, que compõem o comitê consultivo desse conselho diretivo, irá pensar e propor ações para o aprimoramento da atuação feminina no estado, dentro do cooperativismo, a partir da indicação de ações que fortaleçam a representatividade de gênero.

O comitê está constituído pela representante da Bahia no Comitê Nacional, Vera Lúcia, por uma funcionária da Oceb, Ially Carmo, e uma funcionária do Sescoop/BA, Tássia Gouveia, e por cinco mulheres (Arleide Gomes – Coopex, Carine Leal – Lifecooop, Rejane Silva – Sicoob Credcoop, Diana Campos – Sicredi Região Sul da Bahia e Tatiane Tavares – COOPGNP), que foram eleitas, uma em cada região, no Direcoop 2021.

Após a constituição, o grupo se reuniu na última terça-feira (21/9) para começar o movimento de discussão sobre a participação feminina no cooperativismo baiano e já indicar propostas. Dentre os pontos da pauta, estava a eleição da coordenadora e vice-coordenadora do Comitê. As mulheres elegeram Carine Leal e Rejane Silva para ocuparem esses cargos, respectivamente.

O presidente do Sistema Oceb, Cergio Tecchio, comentou sobre esse marco do cooperativismo baiano. “A implantação do Comitê de Mulheres é uma consequência do trabalho que vem sendo desenvolvido, nos últimos 10 anos, com a promoção da mulher no cooperativismo baiano. É o compromisso do Sistema Oceb para a inclusão feminina em todas as áreas do cooperativismo. Sucesso ao Comitê!”.

O QUE DIZEM AS MULHERES

Para Arleide Gomes, a participação nesse grupo vai ser mais um estímulo para lutar pelo reconhecimento da força feminina que existe no cooperativismo baiano. “Quero aprender, conhecer e quero lutar pelo melhor das mulheres cooperativistas”, afirmou.

Com esse mesmo entendimento, Carine Leal, presidente da Lifecoop, destacou que será uma oportunidade para propor ações que ampliem, ainda mais, a participação feminina no cooperativismo. “Relembro a fala de Michelle Bachelet, que comandou o Chile entre 2006 e 2010 e, depois, entre 2014 e 2018, quando se tornou a primeira encarregada da ONU Mulheres, agência das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero – “Quando uma mulher entra na política muda a mulher, quando muitas mulheres entram na política, muda a política”. Tenho a plena convicção de que a criação desse comitê trará uma grande mudança em todo movimento cooperativista. Acredito que a mulher tem uma capacidade única de articulação com visão sistêmica, isso já está em seu DNA, pois necessita desenvolver muitas atividades paralelamente. Desejo contribuir nesse comitê para um cooperativismo mais igualitário para os gêneros e que possamos incutir nele uma de nossas maiores habilidades que é a integração”.

Rejane Silva de Almeida, presidente do conselho de administração do Sicoob Credcoop, comentou sobre suas expectativas para a atuação no Comitê. “Quanto a minha participação no Comitê de Mulheres Estadual, as expectativas são as melhores possíveis, pois precisamos garantir os direitos das mulheres, empoderando e promovendo a equidade de gênero em todas as atividades sociais e da economia”, disse.

Tatiane Tavares, da COOPGNP, está motivada com a oportunidade de fazer parte do Comitê, representando a Região Oeste. “O importante papel de estar inserida em ações que promovem a união e a cooperação entre as pessoas é fundamental. Iniciar esse trabalho de representatividade requer bastante empenho, em promover e estimular iniciativas para a construção de uma nova mentalidade na representação das mulheres em seus postos diretivos, se pensarmos na construção de um mundo mais equilibrado para as gerações futuras”, comentou.

Atuando há mais tempo em espaços de representação feminina, a representante da Bahia no Comitê Nacional de Mulheres, Vera Ventura, cooperada do Sicoob Norte Sul, opinou sobre essa iniciativa do cooperativismo baiano. “Me sinto muito agradecida por estar fazendo parte do Comitê Nacional de Mulheres Cooperativadas e, agora , sendo parte do Comitê das Mulheres das Cooperativas Baianas. Para mim, estar neste comitê será um processo desafiador e gratificante, pois temos a “missão” de agregar as mulheres nesse processo de empoderamento, buscando ter maior participação em funções de destaque dentro das cooperativas. Muitos desafios estão por vir e contamos com a participação criativa das mulheres e dos homens baianos, que fazem parte desse sistema”.

Essa ação do Sistema Oceb vai ao encontro da atuação do Sistema OCB que tem trabalhado de forma intensa pela inclusão de mulheres nesse segmento econômico e social, com intenção de desenvolver um cooperativismo mais justo e igualitário.

 

 

 

 

Fonte: Ascom Sistema Oceb

Deixe uma resposta